Dia do combate ao alcoolismo

Dia do combate ao alcoolismo

Os números são todos assustadores:

80 mil mortes por ano na América Latina. 11% consome álcool todos os dias. 28% consome de uma a quatro vezes por semana. Mais de 200 doenças estão relacionadas ao consumo de álcool, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). São 3,3 milhões de mortes no mundo a cada ano.

16% dos anos de vida perdidos, são perdidos por conta do consumo de álcool. Ele também potencializa o risco de desenvolvimento do câncer. 65% dos estudantes do ensino médio já consumiram álcool em algum momento da vida. Lembrando que a venda para menores é proibida e é caracterizada como crime. Agora pasme: 41% das crianças entre 10 e 12 anos também já consumiu álcool em algum momento da vida.

Os agravantes não param por aí. Além das doenças, há a o aumento da violência, dos acidentes de trãnsito, do consumo progressivo e da porta de entrada para outras drogas.

Num próximo artigo trataremos especificamente sobre os efeitos do álcool na saúde. Hoje falaremos do COMBATE!

O governo brasileiro tem adotado medidas para reduzir os números alarmantes: tarifar bebidas em índices maiores, proibir a veiculação de propagandas e comerciais em determinados horários, fiscalizar locais de venda e distribuição. Além delas, o que falta? Por que o consumo ainda é tão alto? Consciência! Consciência é o que falta. Se crianças de 10 a 12 anos tiveram acesso ao álcool, foi através de um adulto; que vendeu, ofereceu ou facilitou o acesso.

Quantos pais não consomem bebidas alcoolicas na frente dos filhos? Pra quem discorda, leia este artigo publicado pela USP. Ele aponta que o consumo de álcool entre jovens é sim influenciado pela família e pelos amigos; onde os próprios pais incentivam os filhos a beber. A pesquisa aponta que a figura paterna é responsável, na maior parte dos casos, por tornar o consumo de álcool uma rotina.

Como ajudar no combate ao consumo do álcool?

Gerando consciência. São as conversas francas com os filhos. E principalmente: sendo o exemplo prático. De nada adianta cobrar do filho um comportamento adequado se não o temos. E exemplo é intrínseco ao direito de autoridade.

Seja um fiscal das normas estabelecidas. Presenciou um estabelecimento descumprido a lei e vendendo bebida para menores? Denuncie! A passividade permite a impunidade.

Busque ajuda profissional. Há centros de ajuda e orientação que podem auxiliar no tratamento e no combate ao consumo de bebidas alcóolicas.

Leia sobre o assunto. O saber confere argumentos consistentes para abordar o assunto com a família e com os amigos.

Hoje, é o dia do Combate ao Consumo de Álcool. Participe da campanha, compartilhe a informação!

Saiba mais em:

Levantamento Nacional Sobre os Padrões do Consumo de Álcool – Secretaria Nacional Antidrogas